Resenha [07] Pollyanna // Eleanor H. Porter


Título: Pollyanna
Autor: Eleanor H. Porter
Editora: Autêntica
Número de Páginas: 180
Ano de Publicação: 1913
Skoob: Adicione


“Sabe, quando a gente procura razões pra ficar contente, deixamos de lado as outras coisas…”


Bom dia Pessoal!

Este posto foi feito originalmente para o blog Sobre Livros! Agora eu escrevo por lá tb! Tem muita informação legal por lá deste universo literário que tanto amamos!

Eis que trago minha melhor experiência literária do ano, não se deixem enganar por este ar de infanto juvenil que esta capa e título deixam transparecer. Este livro me ganhou de todas as formas possíveis, a escrita, a inocência infantil, a pureza da história e claro, os valiosos ensinamentos, me surpreendia a cada página com um sonoro "e num é que é mesmo?"

Quem nos presenteou com esta belíssima história foi Eleanor H. Porter em 1913, sim, estamos falando de um maravilhoso clássico.


Pollyanna é uma garotinha falante e sardenta que vivia com seu pai até ficar órfã aos 11 anos de idade. A única pessoa de sua família viva, é a tia Polly que morava distante da garota, mas que resolveu cuidar da criança por acreditar ser o seu dever e não por uma questão de afeto e/ou solidariedade.

Pollyanna chega a casa de sua tia já começando a transformar o lar amargurado que a tia vive, a garota simplesmente não parava de falar um só estante, daquela maneira sincera que uma criança sabe ser, sem medir suas palavras.

Tia Polly até tenta ser rígida e manter sua postura hostil mas sempre é desarmada por sua sobrinha Pollyanna que insiste em ver motivos para ficar contente em cada castigo que sua tia lhe dá. 

A história do "ficar contente" é na verdade um jogo que seu pai inventou para que a menina em qualquer situação que estiver, conseguir encontrar um motivo para ficar contente, e claro, para Pollyanna quanto mais difícil, mais legal a brincadeira ficava.


Fato é que a mocinha falante, conseguiu convencer muita gente daquela cidadezinha a entrar no seu jogo, desde a senhora doente bipolar, ao cavalheiro com um mau humor permanente (confesso que ando jogando o jogo do contente um pouco também rsrsr).

A forma de Pollyanna enxergar a vida é incrível, sabe aquela história que a vida lhe da uns limões e você tira dai a limonada? Pollyanna é tipo isso, temos situações da vida real retratadas no livro que geralmente só conseguimos ver pelo lado ruim, e em tudo que nos acontece sempre tem algo bom, sempre tem uma experiência para ser aprendida.

O livro guarda algumas surpresas que me deixavam com o coração apertado, mas no próximo parágrafo Pollyanna já me arrancava um sorriso!

Leitura mais que recomendada, livro de cabeceira sem sombra de dúvidas .... e para concluir, só posso desejar a cada um de vocês uma Pollyanna para auxiliar nas tentavivas de enxergar o lado bom da vida ... e lembrem-se, há sempre uma razão para se estar contente!




Nenhum comentário:

Postar um comentário